Montanhismo Paranaense – Quem fez e de quem pouco se fala...


Montanhismo Paranaense – Quem fez e de quem pouco se fala...   
   Sabemos que a história do Montanhismo Paranaense é recheada de emoções e paixões alucinadas, daqueles que em determinado tempo no passado   contribuíram para sua evolução. Escaladores “anônimos” que se destacaram na sua época, as vezes são esquecidos e tão pouco há registro dos seus feitos.
   O retrato “Global” da escalada paranaense já foi comentado por alguns autores consagrados como Nelson Farofa, Vitamina, Chiquinho, Julio Fiori, entre outros, mas acho que cabe um tempero um pouco mais refinado se destacarmos também outros companheiros que certamente deram apoio à evolução do Montanhismo Paranaense, assim como fez o Nelson Farofa em seu livro As Montanhas do Marumby.

   Por isso, daqui para frente pretendo falar sobre os amigos que participaram conosco da segunda fase do montanhismo no Paraná, tida como a “era da escalada livre e limpa”, me refiro ao final da década de 70 e anos 80.
   Começo por uma visita ilustre que tive no Baitacão neste ultimo final de semana.
   A história desta pessoa começou junto com o Ronaldo Franzem Junior (NATIVO) em meados de 84, nosso problema era calçado e já tínhamos experimentado de tudo, Kichute sem travas, Kichute com alma de Fórmica, Kichute com palmilha de couro, Kichute ressolado com pneu de caminhão, enfim todos os protótipos que o Kichute nos permitia desenvolver, podemos dizer que aquele período foi a “era Kichute”.
  Foi pela obstinação deste homem, que começou junto com o NATIVO,  a fabricar uma marca chamada VARAPE e com ela veio a inovação. O  Natisnake foi o primeiro tênis de escalada genuinamente Brasileiro, destacando que os modelos eram em modelo único, não havia pé direito ou esquerdo, serviam nos dois, definitivamente adeus  Kichute.
 Tive o prazer de fazer o transporte do primeiro lote de sapatilhas vendidas para o estado do Rio de Janeiro, foi até engraçado porque eles estavam atrasados para a entrega e viajamos para o Rio num Chevette velho que eu tinha, de madrugada, durante a viagem toda ainda trabalhavam nisto dentro do carro mesmo, queriam entregar as sapatilhas em ótimas condições e conseguiram.
                De quem estou falando? Olha ele ai:
 
 Milton Piffer
 
                Escalador das antigas que criou a marca SNAKE, hoje uma industria de porte fabrica botas e sapatilhas de escalada, mas ele foi além porque ajudou muita gente que se destacou na evolução das Escaladas em Rocha de Montanha como também deu grande apoio para a introdução da Escalada Esportiva em nosso país.
                Hoje, passeia pelas montanhas junto sua esposa Janaina com quem teve dois filhos, provavelmente escaladores do futuro, assim como seu outro descendente Marcos Piffer (Marquinhos) que sempre mandou bem na escalada esportiva.
 
 
Familia SNAKE e Montahista e Geólogo Gilson Bongiolo no BAITACÃO - 2013
Agradecemos sua visita no BAITACÃO e esperamos contar com sua presença em outras ocasiões.
 
JN 

 


Comentários

  1. que legal esta postagem!
    tem ainda a inesquecível fabrica da snake na Vicente Machado, e a Acampar, que tambem foi importante divulgadora do esporte

    ResponderExcluir
  2. Sim Dedé e além daquelas MARCAS pioneiras ainda temos muitas pessoas. Com o tempo vamos falando delas e quem tiver fotos ou menção de pessoas que contribuiram com o Montanhismo e Voo Livre e nunca foram lembrados, mandem para o meu e-mail por favor.

    Abraços,

    Julio

    ResponderExcluir
  3. Belo artigo Julinho

    Tenho uma das primeiras botas de caminhada do Snake, lá se vão quase 30 anos.
    Qualidade de primeira, já viajou o mundo e a danada continua perfeita.

    Arruda

    ResponderExcluir
  4. E esse chevette aportou foi na minha casa, no Grajaú, de onde foi para os vários clubes do Rio de Janeiro... :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa memória Rodolpho, voce também em um "pé" nesta história toda!

      Excluir

Postar um comentário

Seus comentários sempre serão bem vindos!

Postagens mais visitadas deste blog

BIG 500 2016 - Mais de 6000 metros em Rocha Escalados em 60 Dias no Morro do Anhangava!

Ao contrário do que muitos pensam, as crianças vão poder Pedalar, Caminhar e Escalar neste final de semana, mas tem que chegar BEM CEDO no Anhangava para aproveitar!

Melhores Fotos de Esporte Aventura e Obras de Arte NO MORRO DO ANHANGAVA!